Residências para estudantes em Itália - um negócio rentável

students.jpg
As casas para estudantes podem ser um bom investimento em Itália - Gtres
3 janeiro 2019, Redação

Oito milhões de estudantes internacionais serão, daqui até 2025,  parte de projetos na área da OCDE: como poderá Itália aproveitar ao máximo essa onda de jovens para desenvolver um sistema de habitação estudantil? Esta é a grande pergunta da última pesquisa de Jll, intitulada "Student Housing in Italy".

Estudantes chineses e indianos chegam a Itália

Os movimentos estudantis internacionais, especialmente a partir da Índia e da China, serão cada vez mais impressionantes nos próximos anos, criando necessidades reais de acomodação para aqueles que se mudam por motivos de estudo. De acordo com a Jll, se em 1990 os estudantes internacionais eram cerca de 1,3 milhões, em 2025 serão 8 milhões, e crescerão mais 60% até 2027.

Os estudantes estrangeiros aumentam todos os anos nas universidades: nos últimos quinze anos, o número de estudantes não italianos matriculados em Itália duplicou. Registaram-se cerca de 100 mil alunos estrangeiros no ano letivo 2016/2017, aos quais devem ser adicionados mais de 22 mil alunos do programa Erasmus.

Ao mesmo tempo, os cursos universitários em inglês aumentaram em toda a Europa: em 2009 existiam apenas 55, enquanto que, no ano passado, chegaram a 2900. Em Itália, no ano académico de 2016/2017, foram registados 339.

Universidades italianas, residências para estudantes

Este movimento é muito interessante em Itália, cujas universidades se preparam há muito tempo para uma oferta de formação internacional, oferecendo um do custo de vida e taxas universitárias relativamente baixas, para o excelente nível de preparação que oferecem. Atualmente, a oferta de habitação é, principalmente, da responsabilidade dos pais, no que diz respeito aos estudantes italianos (75% vivem com os seus pais, a maior percentagem na Europa), enquanto que a habitação para estrangeiros ou estudantes de outras cidades fica a cargo de particulares, instituições e associações diversas, campus e residências universitárias.

A porta, no entanto, começa abrir-se a investidores internacionais: hoje em dia, segundo Jll, existem cerca de 50 mil camas disponíveis, contra uma demanda potencial que ultrapassa um milhão de estudantes e jovens trabalhadores. O potencial de crescimento e negócio para este setor é, portanto, muito interessante. De fato, em Itália a relação entre a disponibilidade de habitação e a demanda não excede os 3%, enquanto que no Reino Unido é de 34%, na Irlanda de 15%, em França de 11%, na Alemanha de 9% e na Holanda e em Espanha de 6%.

Residências universitárias, lucros interessantes em Itália

A nível global, o segmento da habitação estudantil é considerado uma classe de ativos madura mas, em Itália ainda está bastante limitado, com a prevalência de novos projetos ainda em desenvolvimento. Em 2017, havia 6,9 mil milhões de investimentos no nível EMEA (+ 16% em relação ao ano passado), sendo que o Reino Unido assumia a maior fatia: 83% desse volume está centrado no mercado do Reino Unido. Em 2017, os estudantes do Reino Unido representaram 7% do total de investimentos em imóveis no país, enquanto que na Europa essa classe de ativos tem uma participação de mercado de, em média, 3%. Em Itália, por outro lado, o sector detém apenas 0,1% do total, apesar de que os rendimentos líquidos são muito interessantes: segundo a Jll, são quantificáveis num intervalo que varia entre 5,75% e 6,25%.

Preparado para encontrar a casa dos teus sonhos?

Preparado para encontrar a casa dos teus sonhos?

Encontra casas à venda e em arrendamento a largo prazo no idealista