Imóveis a baixo preço, teletrabalho e benefícios fiscais - é hora de investir no sul de Itália

Gtres
Gtres
10 setembro 2020, Redação

A crise causada pela pandemia do coronavírus está a ter, e continuará a ter, efeitos em muitos setores sociais e económicos em Itália. O mundo do imobiliário não é exceção, mas isto é algo que poderia precisamente oferecer as melhores oportunidades nos mercados que até agora permaneceram marginais em Itália. Devido aos preços mais baixos das casas, benefícios fiscais e oportunidades de trabalhar a partir de casa, agora pode ser, de fato, a melhor altura para investir em bens imobiliários no sul de Itália. Vejamos porquê.

O efeito mais evidente da emergência sanitária da COVID-19 tem sido a aceleração de uma verdadeira revolução industrial, que permitirá a muitos italianos, bem como estrangeiros e expatriados, trabalhar remotamente, ou seja, trabalhar a partir de casa durante uma parte considerável do tempo. Muitas empresas já comunicaram aos seus empregados que irão regressar ao escritório numa base voluntária e que o teletrabalho, também conhecido como smartworking, não só será admitido, mas até encorajado. Esta é também uma boa notícia para aqueles que querem mudar-se para Itália: podem facilmente fazer a mudança sem ter de procurar um novo emprego e desfrutar de uma nova vida ao sol.

O impacto do trabalho inteligente em Itália

As consequências da pandemia para os empregados significam que um empregado com um contrato baseado em Roma ou Milão, por exemplo, poderá viver e trabalhar a partir de casa, num município de outra região, talvez deslocando-se ao escritório da grande cidade alguns dias por mês. Isto dá origem a uma enorme mudança que tem efeitos não só na esfera social e familiar, mas também, e acima de tudo, na esfera económica.

Poder viver numa aldeia ou cidade diferente daquela onde está sediada a empresa para a qual trabalhas significa que podes fazer poupanças consideráveis e, se optas por viver numa cidade no sul de Itália, estas poupanças seriam consideráveis, uma vez que os preços dos imóveis tendem a ser mais baixos nesta região. Deixando de lado o custo de vida, e concentrando-se exclusivamente no imobiliário, a diferença nos preços das casas é clara. Seria provavelmente suficiente dizer que em Milão e Roma, as principais cidades italianas quando se trata de ofertas de emprego, os preços de compra de propriedades por metro quadrado são de cerca de 4,103 e 2,894 euros, respetivamente. Os custos médios de arrendamento são de 20 euros/m2 em Milão e 12,90 euros/m2 em Roma. Estes dados, tanto para imóveis para arrendamento como para venda, referem-se a preços na cidade e não na província.

Os preços das casas no sul de Itália

Na província de Isernia, o preço médio por metro quadrado de uma casa é de 721,87 euros, em Caltanissetta 724,43 euros, em Enna 835,27 euros, apenas para destacar as três províncias com os preços mais baixos. Mas o preço médio de venda das propriedades permanece abaixo de 1.000 euros por metro quadrado em Agrigento, Reggio Calabria, Cosenza, Benevento, Avellino, Ragusa, Crotone, Campobasso, Siracusa, Catanzaro, Lecce.

Além disso, não faltam casos de municípios do sul de Itália que põem à venda propriedades com preços simbólicos, tais como as famosas "casas de 1 euro", com a intenção de repovoar estas pequenas cidades que em muitos casos estão agora quase desabitadas. É o caso de Taranto na Apúlia, Sambuca na Sicília e Cinquefrondi na Calábria. Em Molise, foi lançada uma iniciativa diferente: um "Rendimento de Residência Ativa" que consiste em pagamentos de 700 euros por mês para aqueles que repovoam os municípios da região.

Mas a compra de uma propriedade no sul de Itália, não deve ser vista como uma oportunidade apenas para uma residência principal. Esta região também se destaca como uma grande opção para aqueles que desejam investir numa residência de férias. Uma vez mais, voltando ao tema do trabalho inteligente, muitos trabalhadores já aproveitaram este verão a flexibilidade do teletrabalho para trabalhar à distância em estâncias balneares ou na montanha. As casas de férias para teletrabalhadores são uma tendência que crescerá exponencialmente num curto espaço de tempo.

Benefícios para "repatriados" e pensionistas

O mercado imobiliário no sul de Itália, é particularmente interessante para os italianos, expatriados e para aqueles que decidem regressar a Itália. Uma lei designada para "repatriados", prevê um desconto fiscal significativo para aqueles que, após pelo menos dois anos de residência num país estrangeiro, mudam a sua residência para Itália. Basicamente, trata-se de um regime fiscal reduzido temporariamente.

"Para que esta redução seja aplicável", lê-se na página web da Administração Fiscal italiana, "devem ser cumpridas duas condições: que o trabalhador não tenha sido residente em Itália nos dois períodos fiscais anteriores à transferência, e que regresse a Itália para residir durante pelo menos dois anos, sendo a sua atividade profissional exercida principalmente em território italiano".

O desconto sobre o rendimento tributável dos trabalhadores repatriados é igual a 70% durante 5 anos. No entanto, há algumas coisas a saber: se a residência for transferida para um município do sul de Itália (para as regiões de Abruzzo, Molise, Campânia, Apúlia, Basilicata, Calábria, Sardenha, Sicília), a taxa de redução sobe para 90%. Além disso, no caso da aquisição de um imóvel onde a residência é fixada num dos municípios das regiões do sul, este benefício fiscal é prorrogado por mais 5 anos. Em termos simples, considerando os baixos preços nesta região da Itália, o que se poupa em impostos serviria para a compra de casa.

Está igualmente prevista uma tributação de 7% para os pensionistas que residiram fora de Itália nos últimos 5 anos e que mudam a sua residência para uma pequena cidade no Sul de Itália, cidades nas regiões da Sicília, Calábria, Sardenha, Campânia, Basilicata, Abruzzo, Molise e Apúlia com menos de 20.000 habitantes.

Preparado para encontrar a casa dos teus sonhos?

Preparado para encontrar a casa dos teus sonhos?

Encontra casas à venda e em arrendamento a largo prazo no idealista