7 passos para comprar uma segunda casa em Itália com sucesso

Foto de Dimitry Anikin em Unsplash
Foto de Dimitry Anikin em Unsplash
14 setembro 2020, Redação

A pandemia COVID-19 fez com que muitas pessoas redescobrissem os benefícios de ter uma segunda casa. Se já vives em Itália e gostarias de comprar uma segunda casa, ou se vives no estrangeiro e estás a considerar comprar uma casa de férias em Itália, agora pode ser o momento perfeito para o fazer. Com a opção de até poder trabalhar a partir de uma segunda casa, devido ao aumento do trabalho remoto, muitas pessoas estão a considerar a opção de comprar uma segunda casa como um lugar onde podem passar longos períodos de tempo para trabalhar, se necessário, e relaxar sem ter de se deslocar a zonas turísticas ou hotéis apinhados. Vejamos 7 passos para garantir que a compra de uma segunda casa em Itália é um sucesso.

Estabelece o teu orçamento e destino

Estes dois elementos andam de mãos dadas. Se queres uma segunda casa numa estância turística de renome em Itália, então é evidente, desde o início, que terás de ajustar o teu orçamento, uma vez que estas áreas são mais caras. Considera viver na periferia, perto das tuas áreas de interesse mas fora do centro, uma vez que estas áreas serão mais baratas mas talvez igualmente características. Na tua procura de propriedades disponíveis, páginas web como o idealista são absolutamente essenciais para ajudar-te a encontrar o teu caminho em torno das várias ofertas disponíveis no mercado imobiliário italiano.

Pensa nos custos e benefícios

Ao comprar uma segunda casa em Itália, é importante estar ciente de todos os potenciais custos e taxas, para além do que pagarás pelo imóvel e por uma hipoteca. Os custos ligados à compra de uma segunda casa em Itália consistem no imposto de registo (a 9% se compras a um particular ou a 10% se compras a uma empresa de construção), imposto hipotecário (a 2% ou 1% respetivamente), imposto cadastral (50 euros) e IVA. A taxa notarial e a comissão do agente também devem ser consideradas. Numa segunda residência em Itália, deves também pagar IMU (imposto municipal sobre imóveis), que ascende a 0,76% (taxa base) do seu valor, e TARI (imposto sobre resíduos). Se necessário, as despesas de condomínio devem ser tidas em conta. A fim de recuperar parcialmente as despesas, poderás também considerar a utilização do imóvel para arrendamentos de curta duração ou turísticos quando não o estiveres a utilizar. Tem em mente que, se o fizeres no clima atual, deverás de ter em conta despesas adicionais relacionadas com limpeza e higienização, bem como formalidades burocráticas.

Visita o imóvel antes de assinar qualquer coisa

Esta etapa pode ser duplamente complexa: uma primeira fase consiste na abordagem "virtual" do imóvel, que é especialmente útil se vives no estrangeiro. Estuda cuidadosamente todas as fotografias e planos, e participa numa visita virtual se esta está disponível. Uma segunda fase, quando a opção parece viável, é contactar o vendedor e visitar pessoalmente o imóvel. Embora visitar o imóvel de forma virtual tenha as suas vantagens, poder ver o imóvel com os teus próprios olhos é importante, uma vez que este é o momento em que podes ver com mais pormenor quaisquer defeitos (ou méritos) da propriedade, coisas que podem ser virtualmente invisíveis. Poderás também avaliar a localização da propriedade, quaisquer problemas estruturais que o edifício possa ter, trabalhos de reabilitação que possam ser necessários após a compra e, talvez, até conhecer os vizinhos.

Oferta de compra

Quando tiveres escolhido a casa dos teus sonhos em Itália, o próximo passo é fazer a tua oferta. O agente pedir-te-á que assines um documento escrito no qual estão incluídos os detalhes do vendedor e do comprador, o montante da oferta, o método de pagamento e o depósito acordado. A proposta será então enviada ao comprador, que a aceitará, assinará ou rejeitará, fazendo uma contraproposta que, por sua vez, será aceite ou rejeitada pelo comprador. Se a proposta for aceite, está tudo pronto para os próximos passos.

Escolhe um notário

Fazer uma oferta sobre um imóvel em Itália significa também que precisarás de um notário para prosseguir. A agência pode propor um, enquanto que o comprador tem o direito de propor outros. Itália tem muitos notários e escolher um pode ser avassalador. Escolher a partir de recomendações fiáveis tende a ser a melhor opção.

Está ciente do compromisso

Quando o contrato de compra preliminar é assinado, o compromisso torna-se irrevogável por ambas as partes. O comprador paga o depósito, altura em que a compra é iniciada de forma vinculativa. Se o comprador mudar de ideias por alguma razão, perderá o depósito. Se o vendedor mudar de ideias, terá então de pagar o dobro do depósito como compensação. Quanto maior for o depósito, menor será a possibilidade de as partes decidirem voltar atrás na sua decisão.

A escritura

Esta nova segunda casa em Itália é quase tua! No momento da assinatura da escritura do imóvel, será fornecida ao comprador toda a documentação relativa ao estado do imóvel, desde o estado de vida até à ausência de hipotecas ou outras responsabilidades. Se o vendedor tiver uma hipoteca sobre o imóvel vendido e pretender pagá-la com o montante cobrado, será pedido ao comprador que emita dois cheques bancários (preferível a uma transferência bancária, que deverá ser emitida antes da data da escritura, para maior proteção do comprador), um a favor do banco do mutuário, igual ao montante das restantes dívidas, o outro a favor do vendedor, igual ao montante adicional. Caso contrário, o cheque será totalmente a favor do banco (se cobrir o empréstimo na totalidade) ou do vendedor (se não houver empréstimo). Nessa altura, a casa muda de mãos e está pronta para ser desfrutada durante um tempo de relaxamento bem merecido na tua nova casa de férias!

Preparado para encontrar a casa dos teus sonhos?

Preparado para encontrar a casa dos teus sonhos?

Encontra casas à venda e em arrendamento a largo prazo no idealista