O panorama do mercado imobiliário italiano em 2021

Tendências de investimento imobiliário a ter em conta em Itália em 2021.

Tendências no mercado imobiliário em Itália para 2021
Foto de Matteo Raimondi em Unsplash
7 janeiro 2021, Redação

Algumas das mudanças fundamentais já em curso no mercado imobiliário em Itália e em todo o mundo, impulsionadas pela tecnologia e demografia, foram aceleradas pela pandemia do coronavírus em 2020. Agora, em 2021, os vencedores e vencidos emergirão claramente: com a ajuda da Nuveen Real Estate, vejamos as 5 principais tendências que orientarão os investimentos imobiliários no novo ano, tanto em Itália como à escala global, nesta visão geral do mercado imobiliário para 2021.

Dinheiro disponível para bens imobiliários em 2021

As políticas e fluxos de capital dos bancos centrais apoiarão o mercado imobiliário em Itália e para além deste em 2021. A ação coordenada de flexibilização quantitativa em 2020 excedeu de longe o anterior QE, criando um ambiente de taxas baixas com o objetivo de aumentar a liquidez e os fluxos de capital no setor imobiliário comercial.

O potencial de rendimento deverá atrair investidores dado o desempenho das classes de ativos durante os anteriores períodos de QE. Os rendimentos imobiliários aumentaram significativamente nos EUA e no Reino Unido na sequência das injeções de liquidez da crise financeira global e também na zona Euro com as aquisições do Banco Central Europeu em 2015, 2016 e 2017.

Com condições de mercado tão favoráveis, espera-se que a indústria faça uma rotação nos EUA, Europa e Ásia, incluindo a Itália. É provável que o capital se concentre na logística, segmentos alternativos e setores residenciais, enquanto que o comércio retalhista continuará a experimentar dificuldades e a ficar ainda mais para trás.

Transformação dos centros urbanos e subúrbios

Devido à pandemia, as pessoas estão a repensar as suas vidas. Dados nos EUA mostram que muitos tentam fugir de cidades densamente povoadas em busca de espaços maiores, uma tendência que tem vindo a crescer em todo o mundo e que é também o caso de Itália. Esta tendência beneficiará os subúrbios, as zonas rurais italianas e também as cidades mais pequenas em Itália; enquanto que esta tendência para viver fora do centro da cidade também alimentará a procura de casas alternativas, tais como unidades unifamiliares e casas manufaturadas, em vez dos tradicionais condomínios multi-familiares.

Comércio eletrónico e trabalho inteligente para o futuro

Ao reconsiderarem onde e como vivem, as pessoas também pensam em como trabalham e como fazem as suas compras. Tudo isto está a acelerar algumas das mudanças fundamentais que já estavam em curso no mercado habitacional antes da pandemia. O aumento do comércio eletrónico transformou os hábitos de compra e a pandemia aumentou a sua utilização em todas as idades e em setores subdesenvolvidos como a alimentação e os cuidados de saúde. A logística continuará a beneficiar, enquanto se espera uma maior consolidação entre os retalhistas.

A tecnologia tem também facilitado o trabalho a partir de casa durante os confinamentos, levantando questões sobre o futuro dos escritórios. O regresso ao escritório em muitas cidades e vilas dependerá da demografia e infraestruturas locais. Na Europa, em cidades com tempos de viagem mais curtos e uma classe trabalhadora mais jovem, é provável que as pessoas regressem mais cedo ao escritório: estas são normalmente cidades de "estilo de vida" com um perfil de segundo nível.

Os bens imobiliários resistentes substituem os obsoletos

Como em qualquer situação de crise e recuperação subsequente, alguns bens irão prosperar enquanto outros se tornarão obsoletos. Os investidores reavaliarão o ciclo de vida dos bens à luz dos novos riscos colocados pela pandemia e pelas mudanças estruturais a longo prazo em termos de demografia, tecnologia e sustentabilidade.

Quando se trata de bens imóveis em Itália e em todo o mundo, os especialistas dizem que a recuperação terá a forma de "K". Os valores e rendimentos de algumas classes de ativos, particularmente no setor hoteleiro e retalhista, são susceptíveis ao declínio, mas aumentarão para outros ativos. Os ativos alternativos, tais como ciências da vida, práticas médicas, armazenamento pessoal, casas unifamiliares, centros de dados e torres de telemóveis, são provavelmente as fontes deste desempenho positivo. Os motores fundamentais destes ativos estão menos ligados a fatores económicos atualmente incertos. Tecnologias disruptivas, tais como carros sem condutor e inovações na produção e entrega de alimentos, também apresentam oportunidades.

A vasta gama de oportunidades e desempenho para os bens imobiliários reforça a necessidade de diversificação entre os tipos de bens, o que deverá encorajar uma maior afetação a tipos de bens alternativos.

Alterações climáticas

Os esforços internacionais de mitigação e regulamentação irão provavelmente ganhar novo ímpeto em 2021, mas a força do compromisso varia consoante o país e a região. O setor imobiliário deve responder às exigências dos investidores, assegurando que os ativos sejam geridos de forma responsável e sustentável e em conformidade com os valores dos investidores. Itália, por exemplo, está preparada para ver um investimento crescente no setor ecológico das casas de madeira, que são apenas uma das muitas soluções "verdes" que estão a surgir no mercado imobiliário italiano.

Artigo visto em
Preparado para encontrar a casa dos teus sonhos?

Preparado para encontrar a casa dos teus sonhos?

Encontra casas à venda e em arrendamento a largo prazo no idealista